Top 10 das casas e hotéis Art Nouveau para visitar

Top 10 das casas e hotéis Art Nouveau para visitar

Em rutura com os estilos arquitetónicos em vigor, Victor Horta fez nascer a Art Nouveau em Bruxelas no final do século XIX. Ao longo das ruas da capital, são inúmeras as casas e os hotéis clássicos que testemunham, com grande beleza, a eclosão e o florescimento deste estilo inédito. Horta, Hankar, Van de Velde e outros grandes nomes da arquitetura bruxelense beberam inspiração nas formas orgânicas da natureza, por vezes com um toque de inspiração japonesa. A face da capital transforma-se e as suas fachadas ganham vida com uma grande beleza. Para garantir que não perde nada, consulte o nosso top 10 de casas Art Nouveau que não pode deixar de conhecer!

Um bom plano! O novo Art Nouveau Pass permite-lhe descobrir as joias da Art Nouveau bruxelense a um preço imbatível. Escolha 3 locais para visitar de entre 7 edifícios emblemáticos, como a Casa Cauchie, o Museu Horta, a Casa Autrique ou ainda o Hotel Solvay. Um passe válido por 6 meses, para todos os fãs de arquitetura!

  • 1. O Museu Horta

  • O Museu Horta foi estabelecido nos edifícios que correspondem à casa pessoal e ao atelier do arquiteto Victor Horta. São edifícios que representam na perfeição o apogeu da Art Nouveau. Comprada pela comuna de Saint-Gilles nos anos 60, a casa foi restaurada e transformada num museu, que abriu as portas em 1969.

    Visita: das 14:00 às 17:30, de terça-feira a domingo inclusive. Última entrada às 17:00.

  • 2. O Hotel Tassel

  • Considerado a obra fundadora da Art Nouveau, o hotel Tassel foi reconhecido como património mundial da Unesco em 2000. Com a sua audaciosa bow-window e as suas fantásticas claraboias, este edifício marcou a história da arquitetura.

    Visita: o local pode ser visitado mediante pedido, que deve ser enviado com antecedência e fica sujeito à disponibilidade dos proprietários. 

  • 3. A Casa Autrique

     

  • A Casa Autrique foi o primeiro hotel privado imaginado por Horta. Desenhada pelo arquiteto bruxelense em 1893, quase em simultâneo com o hotel Tassel, representa o conjunto das inovações estruturais e decorativas próprias da Art Nouveau.

    Visita: Reserva obrigatória. De quarta-feira a domingo, das 12:00 às 18:00 (última entrada às 17:30).

  • 4. A Casa Cauchie

  • Construída em 1905, a Casa Cauchie tem o nome do seu arquiteto e primeiro proprietário, Paul Cauchie. Além do seu esplêndido vão circular, a fachada é magnífica graças à presença de vários esgrafitos que destacam o edifício e comprovam o talento de Cauchie enquanto decorador.

    Visita: Reserva obrigatória. Todos os primeiros fins de semana de cada mês, das 10:00 às 13:00 e das 14:00 às 17:30. (Última entrada às 16:30) Durante o verão de 2021, a casa estará aberta todos os sábados.

  • 5. O hotel Solvay

  • O hotel Solvay, reconhecido como património mundial da Unesco em 2003, é uma das obras mais bem sucedidas de Victor Horta. Foi-lhe atribuído um orçamento ilimitado pelo seu financiador, o industrial Ernest Solvay. Construído na ilustre avenida Louise, este luxuoso edifício de 15 metros de largura é representativo das necessidades de uma grande família burguesa do século XIX.

    Visita:  Reserva obrigatória. https://hotelsolvay.be/

  • 6. O Museu dos Instrumentos Musicais (MIM)

  • Embora o MIM seja normalmente associado apenas à Old England, a um edifício marcadamente do estilo Art Noveau e ao antigo comércio, a verdade é que a infraestrutura do museu se estende por três edifícios. Atualmente propriedade do Estado belga, o prédio de metal negro abriga, juntamente com os edifícios adjacentes, as coleções do MIM posteriores a 2000. Estas coleções incluem 8000 instrumentos, dos quais 1200 se encontram expostos ao público.

    Visita: de terça a sexta-feira, das 9:30 às 17:00. Sábado, domingo e feriados: das 10:00 às 17:00.

  • 7. O hotel Max Hallet

  • Criado em 1903 por Victor Horta, este hotel fica situado na prestigiada avenida Louise e distingue-se pela sobriedade da sua fachada. Esta simplicidade corresponde não só à evolução dos conceitos arquitetónicos no domínio da Art Nouveau por volta de 1900, como também à vocação inicial do local, que tinha por objetivo ser a habitação e o escritório do advogado Max Hallet.

    Visita: o local pode ser visitado mediante pedido, que deve ser enviado com antecedência e fica sujeito à disponibilidade dos proprietários. 

  • 8. Fundação Frison Horta

  • A fundação Frison Horta fica situada no meio da rua Lebeau e foi construída por Victor Horta em 1894 para Georges Frison, um advogado de renome. Trata-se de uma casa onde a natureza e as fontes de luz são destacadas nos mais pequenos detalhes. Todos os pisos apresentam pinturas murais, frescos e odes à flora e à fauna. A Fundação Frison Horta é uma instituição cultural e um centro de arte, um ponto de encontro entre o Leste e o Oeste, que promove o intercâmbio entre as tradições culturais da Índia e da Europa.

    Visita guiada apenas mediante marcação 

  • 9. Il Belgian Comic Strip Center (BCSC)

  • O Centro Belga da Banda Desenhada, um antigo armazém de têxteis, foi concebido com base nas plantas de Victor Horta a pedido de Charles Waucquez. Resgatado e recuperado pelo Estado nos anos 80, abriga atualmente um centro dedicado à banda desenhada.

    Visita : de quarta-feira a domingo, das 10:00 às 18:00. Última entrada: 17:00. 

  • 10. O hotel van Eetvelde

  • A planta do hotel van Eetvelde, reconhecido como património mundial da Unesco em 2000, é, nas palavras do próprio Victor Horta, a mais ousada que alguma vez desenhou. O seu financiador, o político Edmond Van Eetvelde, tinha uma grande abertura para com a modernidade e as novidades arquitetónicas. Sem interferir em qualquer aspeto da inspiração criativa de Horta, o futuro proprietário pediu ao arquiteto uma casa "para a sua família".

    Visita: o local pode ser visitado mediante pedido, que deve ser enviado com antecedência e fica sujeito à disponibilidade dos proprietários.